Caminhos da Psicanálise

Clínica Caminhos da Psicanálise atendimento e supervisão presencial e on-line

Não fui eu!

Não fui eu… Retificação subjetiva é quando o sujeito sai da posição de Adão – “não fui eu”, “não é minha culpa”, “coitadinho de mim” – e passa a se implicar na sua queixa. No livro “Lacan Elucidado”, Jacques-Alain Miller pontua que é “a passagem do fato de queixar-se dos outros para queixar-se de si …

Continuar lendo

Milagre como ação no espaço público

Não é fácil virar santo ou santa. Há processos rigorosos que precisam ser vencidos em diferentes níveis e etapas. Irmã Dulce, agora Santa Dulce dos Pobres, percorreu esse caminho. Entre os requisitos, eram exigidos dois milagres ─ daqueles que a ciência não explica. O psicanalista Marcelo Veras, ao falar sobre a canonização da irmã Dulce …

Continuar lendo

Desaprender: a educação corporativa em um mundo sem bússolas

Educar sempre foi uma tarefa exigente. Para o psicanalista Jacques Lacan, “as pessoas não percebem muito bem o que querem quando educam e são tomadas pela angústia quando pensam no que consiste ensinar”[1]. Quem lida com a educação corporativa também enfrenta esse dilema, especialmente quando ela se restringe aos manuais prescritivos, às metodologias engessadas ou …

Continuar lendo

A psicanálise e os discursos religiosos fundamentalistas

O novo cenário político brasileiro, no qual fé e política andam de mãos dadas, é um exemplo de algo antecipado por Jacques Lacan em 1974: “[a religião] não triunfará apenas sobre a psicanálise, triunfará sobre muitas outras coisas também. É inclusive impossível imaginar o quão poderosa é a religião”[1]. Lacan percebe a religião como algo …

Continuar lendo

O desafio da interpretação: para que servem nossos sonhos?

Freud descobriu que, quando sonhamos, surge um “estranho”, e nem sempre o reconhecemos como nós mesmos, no entanto, somos, sim, nós mesmos. Como sabemos, os sonhos são a janela para olharmos nosso mundo interno. São a chave que une o conscien­te e o inconsciente, e eles têm um sentido. O sentido a que me refiro …

Continuar lendo

Infelizes para sempre?

  Do ponto de vista psicológico, o casamento é uma tentativa de concretizar fantasias e expectativas, conscientes e inconscientes. Cada parceiro carrega consigo sua bagagem de desejos, e tem a esperança de que sejam complementares aos do companheiro. Viver junto implica em reeducar-se e aprimorar essa bagagem. Ensina o casal a superar, por meio do …

Continuar lendo

Fantasias femininas

As fantasias sexuais fe­mininas são produzidas pelo inconsciente e representam as ex­pressões objetivas dos desejos ou a negação deles. Durante muito tempo, acreditou-se que as mulheres não as ti­nham. Hoje, sabe-se que a maioria coloca as fantasias sexuais  em ce­na, isto é, brinca com seu mundo imaginário durante as relações sexuais. Por meio das fantasias, …

Continuar lendo

Para que servem os nossos sonhos?

Os sonhos sempre intrigaram a humanidade. Provocaram muitas inquietações. Trariam eles alguma revelação ou mensagem? Teriam algum sentido? Poderiam ser vistos como cartas cifradas? Um antigo texto egípcio diz: “Deus criou os sonhos para mostrar o caminho àquele que dor­me, cujos olhos estão nas trevas”. Mostra que os antigos, além de darem importância aos sonhos, …

Continuar lendo

Momentos de crise

Muitas vezes ocorre  de uma pessoa sentir um mal-estar interno, algo que não sabe definir, já que está no nível inconsciente. Até mesmo quando é consciente, ela tem dificuldade de aceitar esse sentimento. Há momentos em que  ela não se sente bem. Momentos em que, infelizmente, ela não se detém, porque pensar e avaliar faz …

Continuar lendo

Infância sequestrada

Tenho um primo que, na infância, adorava desenhar. Transformava as calçadas no seu ateliê. Quando o dinheiro sobrava, usava gizes de várias cores. Na falta, usava carvão ou qualquer outro material para dar vida à sua imaginação. Desenhava também em cadernos ou folhas soltas, inclusive, em sacos de papel de padaria. Na família, todos ficavam …

Continuar lendo

Luto mal resolvido

Freud, em sua obra “Luto e Melancolia”, afirma que as situações de perda sempre convocam o sujeito ao trabalho de luto. Só depois de ultrapassada essa fase é que se torna possível a pessoa fazer novos investimentos afetivos. Ele coloca também que consequências desastrosas podem advir na vida da pessoa quando, por um motivo qualquer, …

Continuar lendo

O sentimento de inveja

Embora os sentimentos de inveja sejam familiares para a maioria das pessoas, suas implicações são penosas, difíceis de reconhecer e aceitar. A tendência geral é negarmos com veemência esses sentimentos em nós mesmos, ficando mais fácil identificá-los nos outros. Definindo resumidamente, a inveja é um sentimento irado de que outra pessoa possui e desfruta de algo …

Continuar lendo
© 2022 Caminhos da Psicanálise. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por CriaTec