Caminhos da Psicanálise

Clínica Caminhos da Psicanálise atendimento e supervisão presencial e on-line

Estado de graça!

“Quem já conheceu o estado de graça reconhecerá o que vou dizer. Não me refiro à inspiração, que é uma graça especial que tantas vezes acontece aos que lidam com arte. O estado de graça de que falo não é usado para nada. É como se viesse apenas para que se soubesse que realmente se …

Continuar lendo

A transgressão do humor em um mundo sem graça!

O humor é uma das formas de enfrentamento do Real, do mal-estar da civilização. Freud escreveu dois textos sobre o tema: “O chiste e sua relação com o inconsciente” [1905] e “O humor” [1927]. No primeiro, coloca o chiste como uma das formações do inconsciente. Mostra suas implicações ademais da questão cômica. No segundo, estabelece …

Continuar lendo

Do mal(dito) ao bem(dito)

Do mal(dito) ao bem(dito) Recentemente, ao dar uma entrevista ao programa “Benção da Manhã”, da Tv Aparecida, lembrei-me do livro “Lacan Elucidado”, de Jacques-Alain Miller, quando diz: “Na análise não se dá bençãos, ‘ensina-se’ a dizer bem aquilo de que se fala, aprende-se um bem-dizer”. As bênçãos sempre estiveram presentes em diferentes culturas e expressões …

Continuar lendo

Não fui eu!

Não fui eu… Retificação subjetiva é quando o sujeito sai da posição de Adão – “não fui eu”, “não é minha culpa”, “coitadinho de mim” – e passa a se implicar na sua queixa. No livro “Lacan Elucidado”, Jacques-Alain Miller pontua que é “a passagem do fato de queixar-se dos outros para queixar-se de si …

Continuar lendo

Milagre como ação no espaço público

Não é fácil virar santo ou santa. Há processos rigorosos que precisam ser vencidos em diferentes níveis e etapas. Irmã Dulce, agora Santa Dulce dos Pobres, percorreu esse caminho. Entre os requisitos, eram exigidos dois milagres ─ daqueles que a ciência não explica. O psicanalista Marcelo Veras, ao falar sobre a canonização da irmã Dulce …

Continuar lendo

Quando a insegurança se reveste de perfeccionismo

Obviamente, nenhum profissional se faz de um dia para o outro. É preciso dedicar um bom tempo para se preparar para qualquer profissão. Vou mais longe: precisamos de tempo para organizarmos um evento ou fazermos uma viagem. Aquilo que planejamos tende a dar mais certo, a fornecer resultados melhores. Porém, existem muitas pessoas que se …

Continuar lendo

Mulheres que querem muito mais do que contas pagas

Cada vez mais, está crescendo o grupo de mulheres que espera do parceiro afetivo mais investimento emocional do que financeiro. Se, há algumas décadas, era importante a mulher ser bonita e o homem bem-sucedido financeiramente, atualmente as relações estão bem mais complexas e as expectativas de homens e mulheres têm passado por significativas transformações. Os …

Continuar lendo

Psicanálise e maternidade: nem todas as mulheres querem ser mães!

Como escrevi no artigo No final das contas, ser singular é o que importa!, não ter o desejo respaldado socialmente pode gerar um sofrimento psíquico descomunal. Tudo o que foge ao desejo da maioria costuma ser desvalorizado, arremessando a pessoa numa espécie de ostracismo social. Mulheres que querem se tornar mães e não conseguem têm …

Continuar lendo

Entre a fluidez do romance e a complexidade do amor

  Sílvia Marques   É muito comum encontrar pessoas capazes de viver um bom romance, regado a pequenos gestos de carinho e sedução. Pessoas capazes de dar o melhor de si para vivenciar o jantar perfeito, a noite perfeita ou até mesmo o final de semana perfeito. Quando nos preparamos para um jantar comemorativo ou …

Continuar lendo

No final das contas, ser singular é o que importa!

A psicanálise é, antes de qualquer coisa, a busca pela própria singularidade. Embora a maioria das pessoas chegue aos consultórios à procura de autoconhecimento (o famoso “quero me conhecer melhor”) ou alívio de um sofrimento insuportável, é função do analista ajudar o analisando a descobrir maneiras criativas para lidar com o seu sintoma e a …

Continuar lendo

Mania de proibição

  “Em nosso país existe, desde sempre, um verdadeiro furor prohibendi [mania de proibição], uma inclinação a tutelar, intervir e proibir que, como sabemos, não trouxe bons frutos”. (Sigmund Freud, 1926) Essa afirmação de Freud está em um pequeno livro* que escreveu, em 1926, para defender o direito dos analistas leigos (não médicos) praticarem a …

Continuar lendo

Das feridas invisíveis da ditadura

  Sophia tem 76 anos. Daniel tem 78. Isaac tem 75. Isa tem 70. Ana tem 75. Valde tem 77. Todos eram jovens universitários ou estudantes do ensino médio quando houve o golpe militar. Ainda que tivessem seus posicionamentos políticos, nenhum deles participou de grupos de esquerda, de movimento estudantil, muito menos da guerrilha. O …

Continuar lendo
© 2021 Caminhos da Psicanálise. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por CriaTec