A psicanálise é, em essência, uma cura pelo amor.
(Sigmund Freud)

Mania de proibição

  “Em nosso país existe, desde sempre, um verdadeiro furor prohibendi [mania de proibição], uma inclinação a tutelar, intervir e proibir que, como sabemos, não trouxe bons frutos”. (Sigmund Freud, 1926) Essa afirmação de Freud está em um pequeno livro* que escreveu, em 1926, para defender o direito dos analistas leigos (não médicos) praticarem a …

Continuar lendo

Das feridas invisíveis da ditadura

  Sophia tem 76 anos. Daniel tem 78. Isaac tem 75. Isa tem 70. Ana tem 75. Valde tem 77. Todos eram jovens universitários ou estudantes do ensino médio quando houve o golpe militar. Ainda que tivessem seus posicionamentos políticos, nenhum deles participou de grupos de esquerda, de movimento estudantil, muito menos da guerrilha. O …

Continuar lendo

Desaprender: a educação corporativa em um mundo sem bússolas

Educar sempre foi uma tarefa exigente. Para o psicanalista Jacques Lacan, “as pessoas não percebem muito bem o que querem quando educam e são tomadas pela angústia quando pensam no que consiste ensinar”[1]. Quem lida com a educação corporativa também enfrenta esse dilema, especialmente quando ela se restringe aos manuais prescritivos, às metodologias engessadas ou …

Continuar lendo

Me responsabilizando pelo acaso

Aprendemos cedo que somos responsáveis por nossas escolhas. O famoso “eu te avisei”, dito por pais, professores, irmãos e amigos, é um índice de que podemos fazer o que bem entendermos, mas consequências existem. E podem ser complicadas. Ou não. Nem todo gesto ousado ou considerado equivocado pela maioria das pessoas leva a desfechos trágicos. …

Continuar lendo

A psicanálise e os discursos religiosos fundamentalistas

O novo cenário político brasileiro, no qual fé e política andam de mãos dadas, é um exemplo de algo antecipado por Jacques Lacan em 1974: “[a religião] não triunfará apenas sobre a psicanálise, triunfará sobre muitas outras coisas também. É inclusive impossível imaginar o quão poderosa é a religião”[1]. Lacan percebe a religião como algo …

Continuar lendo

Manias ou  “TOC”?

É comum as pessoas terem certas manias, medos ou preocupações que as levam a determinados comportamentos. Em função disso, algumas são inclinadas a conferir, por exemplo, se fecharam o gás, se trancaram mesmo a porta antes de sair  de casa, se desligaram o ferro de passar roupa etc. Porém, quando esses comportamentos se tornam excessivos, …

Continuar lendo

Ser amado é uma conquista

Diferentemente do que o senso comum imagina, ser amado é uma conquista, uma construção. Não é uma dádiva que cai dos céus para tornar felizes alguns abençoados ou eleitos pelo destino. Escuto mulheres extremamente atraentes, bem-sucedidas profissionalmente e instruídas queixarem-se de falta de amor. Elas entram nos relacionamentos de cabeça, entregam tudo o que têm, …

Continuar lendo

O desafio da interpretação: para que servem nossos sonhos?

Freud descobriu que, quando sonhamos, surge um “estranho”, e nem sempre o reconhecemos como nós mesmos, no entanto, somos, sim, nós mesmos. Como sabemos, os sonhos são a janela para olharmos nosso mundo interno. São a chave que une o conscien­te e o inconsciente, e eles têm um sentido. O sentido a que me refiro …

Continuar lendo

Homens com lógica feminina: o encontro entre o amor e o desejo

Já dizia Freud que o homem tendia a separar amor de desejo. Com uma mulher ele vivia a afetividade. Com outra, o desejo sexual. Uma ele via como santa. A outra, como prostituta. Quem nunca ouviu falar sobre mulheres feitas para casar e outras para transar? Essa divisão entre amor e desejo que faz o …

Continuar lendo

Infelizes para sempre?

  Do ponto de vista psicológico, o casamento é uma tentativa de concretizar fantasias e expectativas, conscientes e inconscientes. Cada parceiro carrega consigo sua bagagem de desejos, e tem a esperança de que sejam complementares aos do companheiro. Viver junto implica em reeducar-se e aprimorar essa bagagem. Ensina o casal a superar, por meio do …

Continuar lendo

Fantasias femininas

As fantasias sexuais fe­mininas são produzidas pelo inconsciente e representam as ex­pressões objetivas dos desejos ou a negação deles. Durante muito tempo, acreditou-se que as mulheres não as ti­nham. Hoje, sabe-se que a maioria coloca as fantasias sexuais  em ce­na, isto é, brinca com seu mundo imaginário durante as relações sexuais. Por meio das fantasias, …

Continuar lendo

Por que nós nos negamos a receber o amor?

Por que nós nos negamos a receber o amor? E quando uso o termo amor, me refiro a qualquer tipo de amor: eros, philia ou ágape. Falo desde o amor carnal, paixão, pele, suor, até um gesto de bondade que fazemos a um desconhecido, passando pelas amizades e parcerias amorosas de longa data. Por que, …

Continuar lendo
© 2019 Caminhos da Psicanálise. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por CriaTec