Caminhos da Psicanálise

Clínica Caminhos da Psicanálise atendimento e supervisão presencial e on-line

O entrelaçamento dos tempos

No último post falei sobre o novo livro de Betty Milan, “Lacan ainda, testemunho de uma análise”, da Zahar. Havia destacado o manejo de Lacan no uso do corte e do tempo lógico das sessões. Na mitologia grega havia diferentes narrativas e palavras para falar do tempo, entre elas, cronos e kairós. Cabia ao Deus …

Continuar lendo

Amanhã eu descanso

Cansado. Muito. Não pouco. Cansado no corpo, Cansado de corpo! Cansado por conta de, Cansado apesar de, Cansado uma vez que, Cansado dado que. Cansado com razão, Cansado sem razão. Cansado com motivos, Cansado sem motivos. Simplesmente cansado! Amanhã, sem pressa, terei tempo Para descansar do meu cansaço. Hoje, me permito ficar cansado. Sei, enfim, …

Continuar lendo

Escutar a pólis

No livro “A política do psicanalista – do divã para a pólis”, Antonio Quinet pergunta: “É possível escutar o que diz a pólis?”. Inverto a questão: “Há como não escutar o que diz a pólis?”. Faz parte do nosso ofício, como diz Lacan, escutar as subjetividades que se estabelecem no mal-estar da civilização a cada …

Continuar lendo

Lacan ainda

Instigado por Tati Bernardi, em sua coluna para a Folha de São Paulo dessa semana, comprei o livro “Lacan ainda, testemunho de uma análise”, da escritora e psicanalista Betty Milan, uma das pioneiras da psicanálise lacaniana no Brasil, e tradutora do primeiro seminário de Lacan em língua portuguesa: “Os escritos técnicos de Freud”. Em sua …

Continuar lendo

Cartas de amor

Os envelopes usados na arte deste post são do final da década de 1970. Aqui em casa são considerados relíquias e ficam guardados a sete chaves. Cada um deles era feito de forma artesanal. Nunca se repetiam. Eu os recebia da minha namorada. Saí de Londrina em 1977 para iniciar a minha trajetória universitária em …

Continuar lendo

Amor é aposta, é risco, é invenção

No poema “Amor e seu tempo”, o poeta Carlos Drummond de Andrade afirma que “Amor é o que se aprende no limite, depois de se arquivar toda a ciência herdada, ouvida. Amor começa tarde”. Em outras palavras, não há ciência explicativa do amor. É algo que não se aprende em manuais prescritivos. Nem segue as …

Continuar lendo

A vida exige riscos e rabiscos

Para acompanhar esse novo post, resolvi publicar uma pequena parte de um texto compartilhado aqui no início da pandemia. No final da década de 1980, assisti “Asas do Desejo”, do diretor Wim Wenders, premiado em Cannes, e considerado um dos mais inquietantes filmes sobre a condição humana. Mais tarde, foi adaptado por Hollywood em “Cidade …

Continuar lendo

Não tenho pressa: não a têm o sol e a lua.

Não tenho pressa: não a têm o sol e a lua. Ninguém anda mais depressa do que as pernas que tem. Se onde quero estar é longe, não estou lá num momento. Sim: existo dentro do meu corpo. Não trago o sol nem a lua na algibeira. Não quero conquistar mundos porque dormi mal, Nem …

Continuar lendo

Brisa do campo: mistérios permanecem e a vida continua!

Tive o privilégio de escrever o prefácio do livro “Brisa do Campo”, do artista plástico, escritor e amigo, Caetano Imbo. Não obstante ser uma obra direcionada ao público infanto-juvenil, é capaz de encantar também os adultos. Ao brincar com as cores e as letras, o autor nos coloca em uma aldeia no interior de Cacheu, …

Continuar lendo

Desregulamentar o amor!

Infelizes os que teimam em regulamentar o amor. Ele não cabe nos manuais prescritivos ou explicativos. O que o amor pede é a implicação na escolha do laço afetivo. É a entrega sem razão. Quando se tem que explicar ou justificar o porquê de estar junto a alguém, o amor se esvazia de amor. Dagmar …

Continuar lendo

Há vida na finitude!

A pandemia provocada pelo coronavírus nos coloca novamente diante da finitude humana. Michel de Montaigne dizia que: “Ensinar os homens a morrer é ensiná-los a viver”. No final da década de 1980, assisti “Asas do Desejo”, do diretor Wim Wenders, premiado em Cannes, e considerado um dos mais inquietantes filmes sobre a condição humana. Mais …

Continuar lendo

Amor inventado!

Amar é estar disponível ao encontro dos vazios. Não há completude que dê conta. Numa relação amorosa corre-se o risco de querer tamponar o vazio do outro, de manter um vínculo de afeto na ordem da completude ou de se colocar como objeto do desejo do outro. Amar requer o saber-se incompleto. Na esfera da …

Continuar lendo
© 2021 Caminhos da Psicanálise. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por CriaTec